O grupo português Resistência renasce em dezembro, em palco, duas décadas depois da estreia, com um repertório que pode ganhar novo sentido, à luz da atual situação do país.

Os dez músicos da formação original, aos quais se juntam os guitarristas Mário Delgado e Pedro Jóia, estão em ensaios, por estes dias, a recordar as canções que, nos anos de 1990, tornaram a Resistência um dos fenómenos da música portuguesa, e que agora são retomadas, pela atualidade e pela força da mensagem.
O grupo durou pouco mais de dois anos e editou três álbuns, um dos quais ao vivo, mas deixou uma marca que o faz regressar agora ao palcos, a 19 de dezembro, no Campo Pequeno, em Lisboa, antes de se apresentar em Guimarães, Capital Europeia da Cultura.
"Há vinte anos foi uma grande aventura. Começou por ser um grupo de vários grupos que se reuniram um pouco para dar mais voz às suas palavras, para sair um pouco do ambiente fechado que eram as nossas bandas", disse Fernando Cunha, ex-Delfins, à Lusa, antes de um dos ensaios da banda.
Em palco interpretaram, e vão voltar a tocar, temas das respetivas bandas, mas também de Zeca Afonso ou de António Variações, todas num registo acústico, assente sobretudo em guitarra e voz.
Fonte: Diário Digital/Lusa

2012-12-02