SEMPRE AUSENTE

Data 1983
Autor António Joaquim Rodrigues Ribeiro

Diz-me que solidão é essa
que te põe a falar sozinho
diz-me que conversa
estás a ter contigo

Diz-me que desprezo é esse
que não olhas p'ra quem quer que seja
ou pensas que não existe
ninguém que te veja

Que viagem é essa
Que te diriges em todos os sentidos
Andas em busca
Dos sonhos perdidos

Lá vai o maluco
Lá vai o demente
Lá vai ele a passar
Assim te chama
Toda essa gente
Mas tu estás sempre ausente
Não te conseguem alcançar
Mas tu estás sempre ausente
Não te conseguem alcançar
Mas eu estou sempre ausente
Não me conseguem alcançar

Diz-me que loucura é essa
Que te veste de fantasia
Diz-me que te liberta
De vida vazia

Diz-me que distância é essa
Que levas no teu olhar
Que ânsia e que pressa
Que queres alcançar

Que viagem é essa
Que te diriges em todos os sentidos
Andas em busca
Dos sonhos perdidos