CANÇÃO DO ENGATE

Data 1984
Autor António Joaquim Rodrigues Ribeiro

Tu estás livre
E eu estou livre
E há uma noite
Pra passar
Porque não vamos unidos
Porque não vamos ficar
Na aventura dos sentidos.

Tu estás só
E eu mais só estou
Que tu tens o meu olhar
Tens a minha mão aberta
À espera de se fechar
Nessa tua mão deserta.

Vem que o amor não é o tempo
Nem é o tempo que o faz
Vem que o amor é o momento
Em que eu me dou e em que te dás

Tu que buscas companhia
E eu que busco quem quiser
Ser o fim desta energia
Ser um corpo de prazer
Ser o fim de mais um dia.

Tu continuas à espera
Do melhor que já não vem
E a esperança foi encontrada
Antes de ti por alguém
E eu sou melhor que nada.